Enquadramento macroeconómico

Em 2017, e de acordo com a estimativa preliminar , o Produto Interno Bruto (PIB) da União Europeia (EU) e da Área do Euro (AE) passou para 2,6% e 2,7% em termos homólogos, respetivamente, o que revela a recuperação do sentimento económico tanto para a EU como para a AE.


No final de 2017, o Banco Central Europeu (BCE) decidiu manter a taxa de juro principal da zona euro em 0%, o valor mais baixo de sempre e que vigora desde março de 2016, não havendo uma data precisa para o fim do seu programa de expansão monetária.


Em Portugal, a previsão do Instituto Nacional de Estatística (INE) aponta para que o PIB tenha um crescimento homólogo real de 2,4%, variação que resultará exclusivamente do contributo da procura interna. De igual forma, o consumo privado cresceu 2,2%, acelerando 0,1 p.p face a 2016.


A taxa de desemprego relativa a 2017 fixou-se em 8,9%, menos 2,2 p.p. do que em 2016, com o emprego a crescer 3,3%.


A taxa de inflação média anual foi de 1,6%  registando um aumento face a 2016, ano em que se fixou em 0,6%, e o défice orçamental deverá situar-se em 0,92%, excluído o impacto da recapitalização da CGD, uma redução significativa em relação ao ano anterior .