Bandeira Processional dos Condenados - Um Objeto e Seus Discursos por Semana
14-03-2019
Conversa semanal

A 31 de maio assinala-se o dia nacional das Misericórdias, instituições que ainda hoje se revelam imprescindíveis na área da solidariedade social, contribuindo para a melhoria das condições e da qualidade de vida da comunidade. Desde a sua fundação, a 14 de março de 1499, a Santa Casa da Misericórdia do Porto prestou assistência aos grupos mais desfavorecidos da nossa sociedade, cumprindo as 14 obras de misericórdia preconizadas pela fé cristã. Durante séculos, uma das missões da Misericórdia foi auxiliar os presos pobres e desamparados das cadeias da cidade e acompanhar os condenados à morte desde o cárcere até à forca. Para tal, era organizado um cortejo, a "Procissão dos Padecentes", que partia da Igreja da Misericórdia e passava pela Cadeia da Relação, terminando na Praça da Ribeira, onde se erguia o patíbulo. Pintada em 1613 por Francisco Correia e Domingos Lourenço Pardo, a bandeira processional dos condenados integrava a "Procissão dos Padecentes", representando o apoio espiritual prestado pela Misericórdia do Porto. Uma investigadora da história das Misericórdias e um historiador de arte lançam assim um olhar sobre esta peça rara da coleção exposta no MMIPO que, para além do seu valor artístico, transporta uma forte carga histórica, simbólica e social.


Mod: António Tavares

Isabel dos Guimarães Sá / Francisco Ribeiro da Silva


01 junho

Museu da Misericórdia do Porto

Lotação: 90


Participação gratuita mas limitada à lotação indicada para cada sessão. Garanta o seu lugar, levantando semanalmente bilhete (máximo dois por pessoa) em www.bilheteiraonline.pt ou nos locais habituais.

Todas as sessões têm início às 18h00.

Mais informações: patrimoniocultural@cm-porto.pt | (+351) 223 393 480