Barco Rabelo - Um Objeto e Seus Discursos por Semana
14-03-2019
Conversa semanal

Oferecido à Câmara Municipal do Porto em 1971, pela empresa Sousa Cruz & Cª Lda, este será o último rabelo fabricado em moldes tradicionais e utilizado no transporte fluvial que ainda podemos admirar, o último rabelo que deslizou silencioso pelas águas do Douro quando o rio era a estrada que ligava o Alto Douro ao Porto. Nos anos 1990 foi seccionado em cinco partes, numa operação orientada pelo arquiteto Lixa Filgueiras, especialista em embarcações tradicionais, dada a dificuldade de transporte do barco com 17,5m de comprimento. Desde então o rabelo aguardava um novo destino, uma nova missão, repousado nos jardins da Casa Tait. Agora, os seus espólios ajudam a contar a história da cidade, no recém-inaugurado Reservatório da Pasteleira. Assim, no dia em que se assinala o aniversário da primeira viagem turística no Douro, vamos descobrir mais sobre este objeto e o seu lugar na história do Porto, contada através do olhar de uma das arquitetas envolvidas no projeto do Reservatório e de um historiador dedicado aos temas do Douro.


Mod: Nuno Faria

Amândio Barros / Catarina Fortuna


19 outubro

Reservatório da Pasteleira

Lotação: 40


Participação gratuita mas limitada à lotação indicada para cada sessão. Garanta o seu lugar, levantando semanalmente bilhete (máximo dois por pessoa) em www.bilheteiraonline.pt ou nos locais habituais.

Todas as sessões têm início às 18h00.

Mais informações: patrimoniocultural@cm-porto.pt | (+351) 223 393 480