Herbário de Júlio Dinis - Um Objeto e Seus Discursos por Semana
14-03-2019
Conversa semanal

Joaquim Guilherme Gomes Coelho era o verdadeiro nome do médico e escritor natural do Porto, que no período mais brilhante da sua carreira literária usou o pseudónimo de Júlio Dinis, nome que o imortalizaria nos vários romances publicados. Na altura em que termina o curso na Escola Médico-Cirúrgica, em 1861, sofria já de problemas de saúde recorrentes, nomeadamente a tuberculose, pesada herança que já havia vitimado a sua mãe e todos os seus oito irmãos. Impedido de praticar ativamente a profissão de médico, dedicou-se mais intensamente à literatura, que a partir de então denuncia a influência dos ambientes rurais para onde se retira por conselho médico, na expectativa de curar do mal que o enfermava. Foi ainda esperançado numa cura de ares que por duas vezes esteve na ilha da Madeira. Aqui, e para além de continuar a sua atividade de escritor, dedicou-se a recolher e colecionar espécies vegetais autóctones, com as quais compôs um herbário, hoje na posse do museu da Escola Rodrigues de Freitas. Mas porque terá ficado este herbário na escola? Qual a sua relação com um outro herbário pertencente a este museu? Nesta sessão dedicada a um interesse pouco conhecido de Júlio Dinis, contamos com a participação da professora responsável pelo museu e de um especialista em história da botânica para nos responder a esta e outras questões.


Mod: Maria José Ascensão

Beatriz Marques da Costa / João Paulo Sousa Cabral


02 novembro

Museu da Escola Rodrigues de Freitas

Lotação: 80


Participação gratuita mas limitada à lotação indicada para cada sessão. Garanta o seu lugar, levantando semanalmente bilhete (máximo dois por pessoa) em www.bilheteiraonline.pt ou nos locais habituais.

Todas as sessões têm início às 18h00.

Mais informações: patrimoniocultural@cm-porto.pt | (+351) 223 393 480