Sara Garcia / Discursos através do movimento, espaço e memória
10-12-2018
Dança

Em Parceria com Palcos Instáveis ? Companhia Instável


Uma provocação à reflexão em torno do que é o discurso e os meios de comunicação.
Se a linguagem se baseia em representações neuronais, imagens e metáforas corpóreas, como defende Pallaasma, se considerarmos o movimento enquanto ação com uma construção mental e física que antecede a sua exteriorização, e a imagem enquanto projeto que antecede a forma: terá a potência da imagem, tal como a de um gesto, ou mesmo uma palavra, mais que ver com a sua construção do que com a forma em si mesma? E que papel exerce a memória - enquanto filtro e elemento condutor de mensagens? A memória molecular, genética ou social, a memória física e mental, individual ou coletiva; consciente e inconsciente. Um recuo no tempo, um recuo no espaço: um encontro com a génese de toda a criação animal e vegetal. A imagem na exaltação de sensações que comuniquem com o público direta e profundamente.

Sara Garcia é natural da Póvoa de Varzim e nasceu em 1990. É diplomada pela Escola de Dança do Conservatório Nacional de Lisboa (2008) e Mestre em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (2014). Entre 2015 e 2017, interpretou o solo 'Martha', cocriação, produzida pela Ventos e Tempestades e estreada no FIS-Festival Internacional de Solos; criou a peça 'Oásis', produzida pelo EstúdioB e co-criou/interpretou 'Dueto Para Cinco', produzida por Mouette. Interpretou 'Operários' de Miguel Moreira e Romeu Runa e, a convite da Companhia Instável, criou 'Teia', site-specific para a Casa da Arquitetura. Em 2018, foi intérprete da peça 'Lulu', com encenação de Nuno M. Cardoso e produção do Teatro Nacional São João, Porto.


Conceção e Interpretação Sara Garcia
Colaboração Maria João Vilaverde
Duração aprox. 1h c/ intervalo


JANEIRO
26 Sáb 21.00h

CAMPO ALEGRE Sala-Estúdio
5.00€ | >12