A arte urbana do Porto viaja pelos céus do Leste em reportagem da Wizz Air

A companhia aérea húngara Wizz Air dedica uma reportagem alargada ao Porto nas páginas da última edição da Wizz Inflight Magazine, a sua revista de bordo. Em destaque está a arte urbana que se respira na cidade e que, por entre os interstícios de ruas estreitas e pouco luminosas, tem trazido à luz da ribalta uma nova geração de talentosos artistas nacionais.


"Painting Porto" é o título atribuído à reportagem que, ao longo de oito páginas, aborda um Porto que se renova e se transforma a cada dia que passa. A street art, que nos últimos anos tem sido acarinhada pela cidade, ultrapassou um período em que se desenvolveu à margem do poder institucional. Contando com declarações do coletivo CircusNetwork, o artigo explica porque é que esse período de "resistência" fez florescer, ainda mais, o aparecimento de iniciativas de ilustração e de street art, em espaços devolutos ou sem aproveitamento visível. "Um autêntico jogo do "gato e do rato" provou que os artistas não seriam facilmente dissuadidos [de continuar a sua arte]", pode ler-se.

De acordo com a visão da publicação húngara, "há dez anos, o Porto era praticamente irreconhecível em comparação com a cidade que é hoje". Já atualmente, o panorama é outro, uma vez que, há mais de três anos, existe um Programa de Arte Urbana, promovido pela empresa municipal Porto Lazer, que também é referenciado nas páginas da Wizz Air.
Na verdade, até para os próprios artistas, esta mudança de rumo foi, de início, acolhida com surpresa. Mots, nome artístico de Diogo Ruas, não negou a admiração com que recebeu o convite da Câmara do Porto para intervencionar uma parede lateral adjacente ao Hard Club, no Mercado Ferreira Borges. "Foi uma grande responsabilidade, mas fiquei muito orgulhoso", afirmou o artista portuense, que também integra o CircusNetwork.

Na notícia é, ainda, levantado o véu sobre o Programa de Arte Urbana que se estende, precisamente, a partir desse mural de tamanho considerável junto ao Hard Rock, percorrendo toda a Rua das Flores (entre caixas de eletricidade artisticamente embelezadas, e as intervenções de maior dimensão nas fachadas de prédios), até ao parque de estacionamento da Trindade, onde surgiu uma das primeiras intervenções apadrinhadas pelo município, da autoria do consagrado Mr. Dheo. Mas também são referenciadas outras "aventuras artísticas" espalhadas pela cidade, designadamente no Jardim do Morro, na Rua Miguel Bombarda e Ribeira do Porto.

Desde o seu lançamento em 2014, este programa municipal dinamizado pela Porto Lazer foi já foi responsável por 79 intervenções artísticas no espaço público, entre obras efémeras e permanentes, que envolveram mais de 60 de artistas, nacionais e estrangeiros. Aos olhos da publicação húngara, não passou despercebido.