Teatro Municipal do Porto convida o público para 76 espetáculos até julho
A forte presença de propostas internacionais, de diferentes estéticas, e de criações próprias, envolvendo estruturas e companhias da cidade, marca a temporada em 2018 do Teatro Municipal do Porto (TMP). Lançada ontem nos seus dois polos - o Teatro Rivoli recebeu de manhã um encontro com os jornalistas, o Teatro Campo Alegre foi à tarde palco da apresentação ao público -, a programação de janeiro a julho encerra 76 espetáculos, num total de 120 apresentações.

Trata-se de uma "programação distintiva" na cidade, como sintetizou o presidente da Câmara do Porto, que assume também o pelouro da Cultura. Aos cidadãos que encheram a sala do Teatro Campo Alegre, Rui Moreira reafirmou que entre os espetáculos agendados estão 22 produções internacionais, 15 das quais em estreia nacional, e 27 de estruturas e companhias que trabalham a partir da cidade, com 22 coproduções de raiz.



Como destaques, assinalou a festa do 86.º aniversário do Teatro Rivoli, no dia 20 de janeiro. A partir da manhã e pela noite dentro, acontece uma celebração "para todas as gerações", com entrada gratuita, que contempla 10 espetáculos em 18 apresentações, envolvendo cerca de 80 artistas.

Rui Moreira realçou também os dois festivais da cidade, o DDD - Dias da Dança e o FITEI, "que se têm vindo a constituir cada vez mais enquanto pontos de passagem e paragem obrigatória no circuito artístico nacional e internacional".

O DDD regressa entre 26 de abril e 13 de maio com 35 espetáculos, 12 dos quais internacionais em estreia nacional e 11 estreias absolutas. Organizado pela Frente Atlântica (Porto, Matosinhos, Gaia) e coproduzido pelo TMP com várias instituições, passará por distintos palcos.
O Festival Internacional de Expressão Ibérica (FITEI) marca junho, com este evento a merecer o reforço de investimento "pelo seu contributo na apresentação de propostas programáticas de grande interesse para a cidade". No festival, o TMP apresentará 10 espetáculos "num programa cada vez mais ambicioso".

Em finais de abril, em simultâneo com o DDD, o Porto acolhe o encontro plenário do ITEM. Trata-se do maior congresso mundial de artes performativas, realizado em parceria com o TNSJ, a Universidade do Porto e o Centro Português de Fotografia, que reunirá na cidade entre 700 a 900 profissionais das artes performativas, oriundos de 60 países.

Tiago Guedes, diretor do Teatro Municipal do Porto, detalhou a agenda de propostas para o primeiro trimestre do ano e sublinhou que, paralelamente ao figurino de programação, 2018 fica marcado como o ano em que esta estrutura cultural e artística portuense aposta na participação e mesmo formação de redes internacionais de circulação de espetáculos e artísticos. O objetivo é "dar visibilidade" aos artistas associados ao TMP.

Neste contexto, pode assinalar-se a entrada do Teatro Municipal do Porto na Pôle Européen de Creation, rede inclui a Bienal de Dança de Lyon e a Maison de la Danse, em França, o Teatro de Liége, na Bélgica, e o Festival Gréc, em Barcelona, Espanha.
É também de relevar o facto de o TMP encabeçar uma rede de Residências Cruzadas, com a Nave Centro de Creación y Residencia, em Santiago do Chile, o CCNCN, em Caen, França, o Charleroi Danse, na Bélgica, aos quais se juntará ainda "uma estrutura de residências em Beirute e o Taipé Performing Arts Centre".

Veja AQUI a agenda de janeiro-julho de 2018 do Teatro Municipal do Porto.