Pesquisar
 Início  »Menu   » Cidade   » Ambiente   » Higiene Pública
Higiene Pública

O Crematório do Porto

O Crematório do Porto



crematrio PR
O Crematório do Porto situa-se na zona sul do Cemitério do Prado do Repouso, junto à escarpa para o Rio Douro. Ocupa uma área de 980 m2, donde se desfruta excelente vista para Gaia, para o Douro e para a Ponte de S. João.
O edifício e jardins anexos foram projectados pelo Arqt. Manuel da Silva Lessa, com grande sobriedade, harmonia e beleza. O revestimento do edifício é de tijolo, com amplo painel de vidro em toda a face da Sala de Despedidas, do lado do Roseiral. No jardim, uma bela escultura moderna do Pintor Armando Alves, evoca, numa forma jacente, a morte e o retorno à terra. Nos jardins do Crematório destaca-se o Roseiral, local onde são inumadas as cinzas, junto a cada roseira. O forno do Crematório, de fabrico inglês, é moderno e corresponde em absoluto a todas as exigências legais de Portugal e da União Europeia. O alvará para cremação foi concebido ao Cemitério do Prado do Repouso em 15 de Dezembro de 1995, pelos Ministérios da Administração Interna e Saúde, após parecer favorável do Ministério do Ambiente.


A Prática da Cremação

A prática da cremação tem história muito antiga na humanidade, mas, até este século, não era habitual na Europa. Hoje, pratica-se em todos os países europeus e nalguns, especialmente os do Norte, a cremação já é adoptada para cerca de 70% dos cidadãos falecidos. Em Portugal só existia ainda um crematório, no Cemitério do Alto de S. João, em Lisboa. Em 1995 a média de cremações foi de 3 a 4 por dia. A religião católica não tem qualquer oposição à prática da cremação, cabendo a cada pessoa, ou à sua família, decidir sobre essa opção. Outros cultos, tais como o hindu, consideram que deve ser sempre adoptada a cremação.

A Autorização de Cremação

A autorização de cremação é concedida de acordo com a lei e a sua obtenção deve ser encarada pelo requerente tal como se tratasse de um enterramento tradicional. Assim, embora o processo de autorização possa ser tratado directamente pelos interessados junto das autoridades, o caminho mais simples é o de informar o armador da opção de cremação e este encarregar-se-á das diligências necessárias. Só em casos muito especiais as autoridades podem recusar a autorização de cremação, particularmente se houver suspeita de crime ou morte violenta, cujos indícios desapareceriam com a redução a cinzas.

A Cremação

Após o velório e eventual cerimónia religiosa, o funeral dirige-se para o Cemitério do Prado do Repouso, sendo a urna conduzida para o Crematório. As urnas utilizadas na cremação devem ser desprovidas de peças metálicas e não serem revestidas com vernizes. O Crematório dispõe de uma Sala de Despedidas, donde a urna passa, através de porta separadora especial, para o forno, que se situa em zona exclusivamente reservada ao pessoal municipal. O forno, de concepção muito robusta, funciona com elevadíssimo grau de segurança e automatismo. Dispõe de 3 câmaras de combustão, trabalha a gás propano e a alimentação de ar é por ventilação forçada. O processo de cremação inicia-se à temperatura de 400ºC e finaliza-se a 1 200ºC. Os gases da combustão, antes de serem expelidos pela chaminé, são submetidos a temperatura superior a 1200ºC, sendo permanentemente controladas e medidas as suas características. O forno pode trabalhar a uma cadência de uma cremação cada 75 minutos. Após a cremação, as cinzas são reduzidas a pó por centrifugação e introduzidas numa pequena urna própria. As cinzas resultantes da cremação apresentam uma cor clara, têm peso aproximado de 2 Kg e volume de cerca de 2 litros. A urna com as cinzas é então levada à Sala de Despedidas e daí conduzida para o Roseiral ou para o Cendrário. Poderá igualmente ser depositada em ossário, sepultura perpétua ou jazigo particular.
O Roseiral é um jardim anexo ao Crematório onde as cinzas são depositadas na terra, directamente ou dentro de urna biodegradável, sendo a sua localização apenas referenciada pela roseira mais próxima. O Cendrário é um conjunto de compartimentos, semelhantes aos dos ossários, para depósito das urnas. As urnas com cinzas podem também ser transladadas para qualquer outro cemitério.

Texto do Bispo do Porto, aquando da inauguração do Crematório do Porto

texto Bispo cremao


O Custo da Cremação

As taxas fixadas para os serviços municipais ligados à cremação são muito baixas. Por exemplo, para cremação com depósito de cinzas no Roseiral, a taxa é de 50% da de inumação em sepulturas temporárias. As taxas de inumação fixadas pelo município incluem o fornecimento da urna para as cinzas. Todavia, poderá ser utilizada outro tipo de urna, desde que obedeça aos mesmos padrões e seja entregue previamente nos serviços pelo armador.
A cremação para pobres, tal como as inumações tradicionais, é gratuita (Taxa zero).

A Secretaria do Cemitério dará informações detalhadas a todos os interessados acerca das taxas em vigor para todos os serviços.



Voltar
Enviar
Imprimir