<span>Visitas Virtuais</span>
Obras no Bolhão avançam a 1 de agosto e estarão totalmente concluídas na primeira metade de 2019

Ao cabo de mais de três décadas de avanços e recuos, o Mercado do Bolhão vai começar a ser restaurado e modernizado este ano. As obras avançam a 1 de agosto, com trabalhos que decorrerão primeiro no exterior e no subsolo, tornando o processo irreversível. Quando chegarem ao interior do mercado, na primeira metade do próximo ano, os comerciantes serão transferidos para um mercado temporário, que se localizará muito próximo, mas cuja localização ainda não está definida, mantendo a Câmara várias alternativas possíveis.


As obras que agora se iniciam e foram já adjudicadas pela empresa municipal Águas do Porto, referem-se ao desvio de várias infraestruturas e, sobretudo, de uma linha de água, que atravessa toda a zona do terrado do mercado, para as ruas Sá da Bandeira e Fernandes Tomás, tornando assim possível o posterior avanço das obras que estabilizarão o edifício e que permitirão a construção da cave técnica de que necessita para se modernizar. Sem estas obras agora lançadas e orçadas em cerca de 800 mil euros, seria impossível intervir a fundo na estrutura do edifício, obra cuja urgência está sinalizada desde os anos 80 do século passado.


A Câmara do Porto, por forma a agilizar todo o processo de empreitada e minimizar os constrangimentos dos comerciantes do mercado, autonomizou esta fase das obras, uma vez que a realização dos trabalhos previstos não implica, ainda, a saída dos comerciantes, ficando sempre garantido o acesso ao mercado e a todas as lojas do exterior.


Ainda assim, haverá de imediato condicionamentos ao trânsito nos arruamentos adjacentes, que se prolongarão pelos 240 dias da empreitada.


MERCADO TEMPORÁRIO NO INÍCIO DE 2017


Enquanto estas obras decorrerem, a Câmara do Porto definirá a localização do Mercado Temporário do Bolhão, que albergará com conforto e condições comerciais interessantes os atuais comerciantes. Neste momento, a autarquia mantém em aberto diversas alternativas e a decisão, a tomar brevemente, será comunicada então. Todos os atuais comerciantes serão convidados a transitar para o mercado temporário e a regressar ao Mercado do Bolhão, já restaurado, em 2019, quando todo o processo estiver concluído.


Com a atual calendarização e com a solução encontrada, de avanço prévio das obras no subsolo, evita-se a transferência dos comerciantes numa fase do ano muito sensível como a época do Natal, altura em que o atual mercado ainda estará a funcionar em pleno, com todos os vendedores. Segundo o calendário agora estabelecido, os comerciantes ficarão instalados no espaço temporário durante a realização da empreitada principal de restauro e modernização do edifício, período estimado em 24 meses, a iniciar na primeira metade de 2017.


O Gabinete do Mercado do Bolhão irá reunir a partir de amanhã com cada um dos comerciantes, à semelhança de uma primeira ronda de entrevistas já realizada no início deste processo e que tem ajudado a Câmara a encontrar soluções.  Note-se que, no âmbito da atividade da empresa municipal GOP - Gestão de Obras Públicas, encontram-se já elaborados todos os projetos, tendo sido sujeitos a um rigoroso processo de revisão, estando, nesta altura, em preparação o lançamento dos concursos públicos necessários para adjudicação das empreitadas seguintes, nomeadamente, para a construção do túnel entre a Rua do Ateneu Comercial do Porto e a futura cave do Mercado do Bolhão e a empreitada geral de restauro e modernização do Mercado do Bolhão.


O custo total da operação de restauro e modernização do Mercado do Bolhão, o que inclui a adaptação do espaço do Mercado Temporário e as empreitadas de desvio de águas e construção do túnel, é da ordem dos 27 milhões de euros, incluindo já todo o processo de criação de imagem e promoção do mercado.


CONDICIONAMENTOS DE TRÂNSITO


Esta primeira empreitada a entrar em obra, correspondente ao desvio da linha de água subterrânea, provocará alguns constrangimentos de trânsito a partir dos primeiros dias de agosto. Em causa está a corte de trânsito na Rua Fernandes Tomás, entre Alexandre Braga e Sá da Bandeira; a criação de dois sentidos na Rua Formosa, no mesmo intervalo; e a eliminação de um sentido na Rua Sá da Bandeira, entre a Rua Formosa e a Fernandes Tomás. O pormenor destes condicionamentos serão permanentemente comunicados pela Câmara do Porto, nomeadamente através do seu Portal de Notícias, em www.porto.pt e da imprensa em geral.


MERCADO PÚBLICO DE FRESCOS COM OS ATUAIS COMERCIANTES


O Mercado do Bolhão será restaurado, cumprindo um programa que visa estabilizar o edifício e modernizá-lo, mantendo a sua traça, características fundamentais e função, como mercado de frescos tradicional, público e onde os atuais comerciantes serão convidados a continuar, sendo considerados como a "alma" do mercado e a peça mais importante da sua dinamização comercial futura.