Inovação


Na Inovação, que inclui os programas Implementar e divulgar atividades inovadoras e Fomentar e reforçar a aplicação de sistemas e plataformas digitais, aplicou-se 1 milhão de euros.


Através do programa Implementar e divulgar atividades inovadoras a atividade foi coordenada pela Associação Porto Digital e organizada em três grandes áreas: apoio ao empreendedorismo; inovação urbana e co-criação de serviços, e ainda, a área de plataforma urbana e serviços digitais.


Na componente de apoio ao empreendedorismo deu-se continuidade ao desenvolvimento das atividades da estratégia ScaleUp Porto, com vista à promoção do crescimento sustentável do ecossistema de empreendedorismo. Neste sentido foram promovidas e apoiadas iniciativas de consolidação da comunidade tecnológicas e de conhecimento, atividades de capacitação do ecossistema e de partilha de conhecimento, iniciativas de facilitação de acesso ao mercado e financiamento para novas empresas de base tecnológica, e ainda, atividades de internacionalização e criação de redes. No ano de 2019 foi promovida a quarta edição da Semana Start & Scale, sob o tema do desenvolvimento das forças que promovem o crescimento do ecossistema de empreendedorismo - talento, mercado, investimento e conhecimento. Esta atividade envolveu mais de 3.500 participantes, incluindo 135 equipas vindas de todo o mundo para a competição internacional de programação - as Finais Mundiais do ICPC (International Collegiate Programing Competition). Neste contexto, e através da iniciativa "Doing Business" foi promovida a colaboração entre as startups e organizações de grande dimensão, tendo sido suportada a realização de cerca de 120 reuniões entre mais de 40 entidades. No âmbito do apoio às comunidades e organizações dinamizadoras do ecossistema, foi lançada a terceira "Convocatória Aberta ScaleUp Porto", que recebeu 45 candidaturas, das quais foram selecionadas e apoiados 8 projetos que envolveram mais de 1.600 participantes. Ao longo do ano de 2019, foram ainda realizadas masterclasses com especialistas nacionais e internacionais, em temáticas relacionadas com tecnologia, vendas e gestão e nas quais participaram cerca de 300 membros de empresas e startups da cidade.


Com o objetivo de promover a discussão em torno de temas relacionados com investimento e acesso a capital, realizou-se a terceira edição do evento "Smart Capital", que, para além de reunir investidores e responsáveis de inovação corporativa, permitiu avaliar e discutir novas formas de colaboração destas entidades com a cidade, na implementação da estratégia para o empreendedorismo. Na temática da ligação e colaboração com investidores, foi ainda lançada a segunda edição do "Toolkit de investimento em StartUps do Porto". Por fim, e no sentido de dotar a cidade de um instrumento de disponibilização de informação sobre o tema do empreendedorismo, foi também lançada uma nova edição do mapeamento do ecossistema, que pretende facilitar o acesso a dados e o acompanhamento da evolução do ecossistema. Na componente de internacionalização e criação de redes, foi consolidada a participação na rede SCALE, a rede europeia de cidades que possuem estratégias de referência na área de empreendedorismo.


No âmbito da área de inovação aberta, foi dada continuidade ao programa de promoção e fortalecimento do ecossistema de inovação enquanto instrumento de "Transformação da Cidade", através da iniciativa Porto Innovation Hub (PIH), lançada em 2016. No contexto desta iniciativa, foi inaugurado o novo espaço do Porto Innovation Hub, localizado na zona central da cidade, que conta com uma área aproximada de 1.000m2. Desde a abertura do espaço PIH, a nova casa de inovação do Município do Porto acolheu mais de 150 eventos, coorganizados por cerca de 80 entidades, e contou com a presença de 5.000 participantes. Este novo espaço funciona como o polo central de dinamização e experimentação da cidade, através da criação de novos cenários e oportunidades de inovação à escala urbana, contribuindo para a cultura de inovação da cidade e incentivando o cidadão a assumir o papel de motor de inovação.


Dando seguimento ao projeto "Inovação Fora de Portas", que pretende promover a forma como a inovação foi transformando a cidade, e em parceria com a Universidade do Porto, foram realizadas visitas orientadas a locais emblemáticos da cidade, como são exemplo a Estrada Marginal do Porto, o Museu da Misericórdia ou o Centro Português de Fotografia. Juntamente a esta iniciativa, foi lançado o "Ciclo Inovação Fora de Portas - Engenharia Civil à Mostra" que, durante três meses, apresentou uma exposição temporária no espaço PIH, onde permitiu aos seus visitantes explorar diferentes áreas de intervenção da Engenharia Civil, além do conhecimento científico e tecnológico que sustentam muitas das obras e infraestruturas fundamentais para a evolução da cidade. Esta iniciativa resultou da colaboração entre o Município do Porto, o Departamento de Engenharia Civil da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e a Ordem dos Engenheiros - Região Norte.


No contexto da promoção da inovação organizacional, e das novas formas de desenvolvimento de serviços envolvendo os cidadãos, foi organizado o "Dia de Inovação no Município", um evento inteiramente dedicado à inovação, com o objetivo de envolver os trabalhadores do universo municipal no (re)desenho de serviços públicos mais eficientes e acessíveis. Com o objetivo de se evidenciar a importância da inovação no contexto municipal, foi lançado o "Guia para a Inovação" e o "Toolbox para a Inovação", uma coleção de ferramentas focadas no desenho de serviços e no design thinking, que se espera poderem ajudar a promover o pensamento criativo e analítico no trabalho de todos os profissionais do município.


Com o apoio da equipa de Desenho de Serviços e Gestão de Inovação da Associação Porto Digital, foi dada continuidade à estratégia do Município do Porto para desenvolver políticas de criação e melhoria de serviços públicos, através do desenvolvimento de projetos com base na transformação digital e inovação organizacional. Com base num modelo aberto e colaborativo, sustentado pela cocriação e inovação aberta, foram desenvolvidos projetos âncora, dos quais se destaca o projeto "Gestão de Ocorrências", que tem como principal objetivo desenhar uma plataforma de gestão de ocorrências transversal às equipas do Município do Porto. Neste projeto foi aplicado um processo de desenho de serviços baseado em ferramentas criativas e analíticas, que promoveu o envolvimento de todos os intervenientes no serviço, desde cidadãos, a empresas e trabalhadores do Município. De destacar ainda o desenvolvimento do projeto de redesenho dos espaços verdes, tais como Largo 3 de Fevereiro e Largo Dr. Tito Fontes, que, através de um processo de cocriação com os cidadãos e trabalhadores do Município, permitiu identificar necessidades e desejos dos habitantes para criar o programa das obras a realizar. Estes projetos envolveram a recolha de opinião participativa de cerca de 350 cidadãos, com partilha de mais de 500 ideias e propostas de redesenho dos espaços.


Na componente tecnológica, foi dado seguimento à estratégia de desenvolvimento desta componente da cidade, nomeadamente no que se refere à agregação, processamento e disponibilização de dados da cidade, e ainda, à disponibilização de serviços digitais de acesso público, como é exemplo a rede Wi-Fi de acesso gratuito. Neste sentido, manteve-se o investimento no desenvolvimento de uma plataforma urbana, bem como na atualização tecnológica, melhoria de desempenho e expansão da rede Wi-Fi. Destacam-se os resultados de um estudo de satisfação e melhoria da rede pública Wi-Fi, em que participaram cerca de 83 mil utilizadores, e que evidenciaram a importância da rede enquanto plataforma de acesso a informação em tempo real da cidade. Em paralelo continuou o trabalho de melhoria do serviço prestado pela rede, que garantiu que pela primeira vez esta tenha suportado cerca de 1,3 milhões de dispositivos num único ano.


Ainda na área tecnológica é de salientar o desenvolvimento de vários projetos apoiados pelo programa Horizonte 2020, do qual se destaca a implementação dos pilotos do projeto Syncronicity e o arranque do Projeto C-Streets. O projeto Syncronicity, iniciado em 2017, teve como objetivo criar um mercado global de soluções digitais para melhorar a gestão das cidades e a qualidade de vida dos cidadãos. Através do reforço da sensorização da cidade, do desenvolvimento de uma plataforma urbana, do envolvimento dos cidadãos e das equipas municipais, e ainda, da abertura ao ecossistema empresarial, este projeto permitiu fortalecer a estratégia de inovação, tecnologia e empreendedorismo da cidade, facilitando o seu processo de transformação digital. A plataforma urbana, desenvolvida no contexto desta iniciativa, congrega atualmente sistemas de apoio à decisão suportados por dados. São exemplos os eventos gerados pelo sistema de video-analítica, dados de sensorização da via pública e dados do sistema de sensorização ambiental e meteorológica, que permitem o desenvolvimento de aplicações e serviços para apoio no Centro de Gestão Integrada da cidade (CGI). A contínua aposta no desenvolvimento da Plataforma funcionará com catalisador para a implementação de novas soluções digitais para a cidade, facilitando o acesso a dados e serviços que endereçam os principais vetores da gestão urbana - mobilidade, ambiente, turismo, urbanismo, entre outros.


No âmbito do programa Fomentar e reforçar a aplicação de sistemas e plataformas digitais, o Centro de Gestão Integrado (CGI), que constitui o centro de coordenação dos processos de operação multidisciplinar nas áreas da mobilidade, segurança, bombeiros, proteção civil e ambiente, e que visa apoiar o cumprimento das atribuições e competências do Município, opera num conceito de operações 24h, 365 dias ao serviço da cidade. A criação de uma Divisão de Operação do CGI insere-se na estratégia de implantação de uma gestão de 1ª linha para o CGI, assumindo funções e tarefas que são transversais a todas as unidades orgânicas que integram o Centro. Para este fim foi criada uma nova equipa dedicada que vem assegurar a implementação e execução da gestão de 1ª linha, no sentido de atingir um novo patamar de eficiência e capacidade na resposta em situações de intervenção multidisciplinar. O CGI assegurou ainda o apoio à coordenação operacional no âmbito da realização dos grandes eventos da cidade, designadamente São João, Finais da Liga das Nações, Festividades de Natal, e a grande operação da Passagem de Ano.