Porquê rever?
O atual PDM foi publicado em 3 de fevereiro de 2006 e encontra-se datado face à realidade atual. De facto, desde então ocorreram múltiplas transformações económicas, sociais, culturais e ambientais que obrigam a adequar o modelo de intervenção urbana ao quadro de desafios e de oportunidades que hoje se colocam, tendo em vista o propósito último de promover a qualidade de vida e o bem-estar da população. 
A revisão do PDM, permitirá igualmente ultrapassar algumas limitações reconhecidas ao instrumento atualmente em vigor, nomeadamente, a clarificação de certas normas e conceitos utilizados, assentará nos seguintes pilares:
  • - A sustentabilidade do desenvolvimento urbano, materializada na opção prioritária pela reabilitação urbana, na colmatação dos espaços sobrantes (em detrimento de novas áreas de expansão), na requalificação temporária de vazios urbanos, na valorização das áreas verdes (incluindo as zonas verdes de proximidade) e azuis (frente fluviomarítima, ribeiras), e em soluções inovadoras nos domínios da mobilidade, da eficiência energética, da prevenção e redução de riscos naturais, entre outros.
  • - Um modelo de desenvolvimento económico que respeite as identidades locais e valorize os ativos do Porto, tanto quanto possível centrado nos domínios da criatividade e da economia do conhecimento, da valorização do património histórico e cultural e na promoção de uma oferta turística de excelência.
  • - A coesão sócio-territorial, centrada na redução das disparidades de qualidade de vida e de bem-estar dos cidadãos e na regeneração das zonas mais estigmatizadas do Porto, corrigindo desequilíbrios estruturais persistentes.